Escolha uma Página
Espalhe a notícia

Sempre que um sujeito é atacado publicamente por ter feito declarações consideradas homofóbicas, a resposta é a mesma: “Vivemos uma ditadura gay”. Como se o congresso estivesse fechado, a presidência não estivesse sob a égide  de um ser humano eleito democraticamente, mas por um gay eleito por uma comissão gay, que manda no país.

Seria um tanto ridículo levar tal afirmação a sério, então só podemos supor que trata-se de uma declaração simbólica, como se os gays fossem ultra-protegidos, numa espécie de paternalismo doentio. Então vamos aos fatos.

Homofobia não

{{Crédito da foto: {link url=”http://www.flickr.com/photos/will-goingto/5639756388/sizes/l/in/photostream/” target=”_blank”} willitones {/link}}}

O primeiro tosco ser humano que falou sobre a ditadura gay em voz alta e bom som foi um vereador da nossa nem tão querida São Paulo. O dono da mais esdrúxula lei já apresentada por um vereador paulistano, Carlos Apolinário do DEM, que apresentou o Dia do Orgulho Hétero. O projeto, claro, foi vetado pelo Aquassab.



Apoie o Jornalismo Independente

Mas isso não impediu um outro vivente da toscolândia {{terra imaginária onde os gays têm privilégios e os perseguidos são homens brancos de classe média alta}} proferir a mesma pérola. Sim, claro, estamos falando do pastor tristonho, futuro ex presidente da Comissão dos Direitos Humanos, em Brasília.

Ambos desconhecem que foram documentados 260 assassinatos de gays, travestis e lésbicas no Brasil no ano de 2010, 62 a mais  que em 2009 (198 mortes), um aumento 113% nos últimos cinco anos (122 em 2007) {{não acredite em mim}}, conforme relatado no post Brasil: Preconceituoso com orgulho.

Os dois também não estão sabendo que 70% dos homens gays de São Paulo já sofreram algum tipo de agressão {{não acredite em mim}}, fato também relatado por este blog, no post Então vamos ao Kit Gay, São Paulo.

Feliciano acha um isso tudo um absurdo, algo inventado. De sua não utilizar a palavra latrina para definir boca, saiu isso:

No entanto, esses militantes GLBTT rotulam como homofóbica qualquer pessoa que discordar de suas posições. Acusam de incitação à violência, o que qualquer pessoa isenta sabe que não é verdade. Mas, jogada ao vento, essa mentira causa estragos à imagem do acusado perante a opinião publica. Vivemos uma ditadura gay.

{{não acredite em mim – nem nele!}}

Ai ai ai, esses militantes GLBTTttttt, viu?! Sempre causando… Só porque, entre outras coisas, o pastor resolveu tirar não fazer referência ao reto do cidadão aqui da cartola que AIDS é o câncer gay {{não acredite em mim}}, as pessoas já acham que ele está de preconceito?!

Ora essa, e algum heterossexual já teve AIDS ? Vejamos:

Maior parte dos casos de HIV são entre heterossexuais

{{não acredite em mim – Band}} 

Só porque o Feliciano resolveu dizer que os sentimentos homoafetivos são podres, isso agora quer dizer que ele é preconceituoso?

Só porque o assessor dele, resolveu dizer que o destino de toda criança adotada por casal gay é o estupro, e ele confirma ao retuitar, isso faz dele um preconceituoso?

 

Sim, óbvio que faz. Não resta dúvidas. A única ditadura gay que existe nesse país é a ditadura de crimes homofóbicos. O resto, meus amigos, é balela.

Espalhe a notícia
Inscreva-se em nossa Newsletter

Inscreva-se em nossa Newsletter

Não perca nenhum conteúdo. Não se preocupe, seu e-mail não será repassado a ninguém.

Obrigado, sua inscrição foi feita!