Fernando Pádula declara guerra aos estudantes…

Que mais de 200 escolas estaduais permanecem ocupadas em todo o Estado de São Paulo, todos sabemos. Que a reorganização é uma ação do governador Bond Bico, nós também sabemos. Que ela pretende fechar 95 escolas em todo o Estado, lotando salas de aula e prejudicando as mães com mais de 1 filho em idades diferentes, além de superlotar as escolas que não serão fechadas, tudo isso é fato público e notório.

Mas neste domingo o pessoal da Secretaria Estadual de Educação fez uma de suas presepadas mais notórias ao deixar vazar o áudio de uma reunião fechada, realizada num domingo de manhã {{mostrando toda a disposição à transparência e ao diálogo que a gestão estadual tem}} onde é possível ouvir o secretário adjunto Fernando Padula dizer que é uma guerra contra, veja só, os ESTUDANTES SECUNDARISTAS.

Mas afinal, quem é o sujeito que declara guerra aos estudantes ?

Fernando Padula ingressou na secretaria de educação em novembro de 2013, substituindo João Cardoso Palma Filho {{não acredite em mim – Diário Oficial}}. Exonerado por que motivos ? Mônica Bergamo explica:

SEM FALTA
Um auxiliar direto do secretário Herman Voorwald, da Educação de SP, impôs importante derrota ao governo de Geraldo Alckmin: ele desempatou a favor dos professores, numa votação do conselho da pasta, proposta que permite aos profissionais ter até 16 faltas anuais, sem que elas contem pontos negativos quando buscam promoção. Até então o teto era de seis faltas.

SEM FALTA 2
João Cardoso Palma Filho, que era secretário-adjunto de Voorwald, foi exonerado. “Pedi demissão”, afirma. Das 16 faltas, dez podem ser ausências para que o profissional vá a reuniões sindicais. A secretaria diz que ele votou contra a “principal linha da gestão”, a de “manter o professor na sala de aula”.

{{não acredite em mim – folha de São Paulo}}

Pois bem, falávamos de Fernando Padula, aquele que entrou para votar contra os professores, ao contrário de seu antecessor e que hoje voltou a ser chefe de gabinete do secretário Hermann. Este ser, que propõe guerra e desmoralização dos estudantes e que tem por trás uma série de fatos moralizantes, tais como:

O presidente da Federação dos Trabalhadores do Transporte Escolar do Alto Tietê e Região (Fetraadete), Alexandre Gerolamo Almeida, concedeu entrevista ao Gazeta Regional e explanou sobre o cenário do serviço de transporte escolar em todo o Estado. O sindicalista acredita em possíveis irregularidades de favorecimento da empresa Bonauto Locação de Veículos Ltda., promovidas pelo chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, Fernando Padula. “Ele (Padula) vem trabalhando para forjar as condições para contratação da Bonauto”, acusa Almeida.

{{não acredite em mim – Gazeta Regional}}

Ah, seu Caipira, mas é um sindicalista, está falando qualquer coisa… Pois muito bem, leitora ingênua e bobinho leitor, vejamos o que as tais redes sociais têm a dizer sobre a Bonauto Locação:

{{não acredite em mim – Facebook}}

Diz o texto:

Estudantes do Bairro do Cocuera são prejudicados por deficiências no transporte em vans / Foto Gustavo Rejani

Na manhã de ontem (18), cerca de três mil alunos da rede estadual de Mogi das Cruzes não conseguiram ir para a escola. Isso porque a empresa de transporte Bonauto, contratada pelo Governo do Estado, deixou de atender os estudantes de 16 unidades de ensino da Cidade já em seu primeiro dia de atuação na rede.

A Bonauto Locação de Veículos Ltda venceu o processo de licitação aberto pelo Estado e pelo valor de R$ 66,8 milhões no ano deveria transportar 23 mil alunos a partir de ontem. O contrato prevê atendimento nos municípios de Mogi, Suzano, Ferraz de Vasconcelos, Santo André, Salesópolis e Guarulhos. Só na área de Mogi, o atendimento será de 4,7 mil estudantes.

A atuação da Bonauto na rede estadual foi definida no dia 19 de dezembro, a partir de uma decisão judicial que a colocou no lugar da empresa Benfica Transportes.

Pois temos 1 sindicalista dizendo que o senhor moralizante beneficia uma empresa e temos uma foto de um ônibus, em excelente estado {{só que não}}, que não realizou sua função mais básica: levar os estudantes à escola.

Mas quem disse que isso é verdade? Facebook não é confiável, dirá a sagaz leitora. E eu, chato que só, replico: quem diz é o próprio governo!

{{não acredite em mim – Diário}}

A empresa Bonauto Locação de Veículos Ltda., responsável pelo transporte de mais de 3 mil alunos da rede estadual em Mogi, terá sete dias, a partir da próxima segunda-feira, para apresentar recurso de defesa, depois que a Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) instaurou processo administrativo que prevê, inclusive, a rescisão de contrato e aplicação de demais penalidades, conforme publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo na última quinta-feira.
(…)
Já outra mãe de aluno, Regina Cristina Pinhal, aponta que, mesmo que os carros estejam atendendo nos horários determinados, ainda existem queixas sobre a não utilização de alguns itens obrigatórios, como o uniforme e credencial dos motoristas e monitores. Estamos no aguardo de uma providência, porque essa empresa não pode continuar, reforça.

Mas isso é tudo ? Não. Nosso incrível guerreiro moral, que adora a tal Bonauto {{decerto porque é um homem justo e honrado e nunca veria vantagem de nenhum tipo nisso}}, ainda precisa explicar…

{{não acredite em mim – CUT}}

 

{{não acredite em mim – Diário do Grande ABC}}

“Eles (Pasta de Educação) ignoraram completamente. Receberam a notificação e, mesmo assim, é a Benfica que continua rodando. O que é um absurdo”, afirmou Dário Domingos de Azevedo, advogado da PEM. “Temos informações que indicam que a Benfica trabalha com valor 30% maior que o nosso”, adicionou.

Por nota, a Secretaria do Estado da Educação informou que ainda não foi notificada oficialmente da decisão. Porém, após a liminar expedida, a gestão estadual tentou derrubar a decisão, o que demonstra ter ciência do caso.

Ao que parece Fernando Padula é um ferrenho defensor da reorganização. O que fará estudantes terem de se deslocar para locais distantes de suas casas. Talvez mais empresas teriam que ser contratadas, ou talvez só alguns contratos ampliados. Vai saber… Guerra é guerra, não é mesmo ?